Notícias


Estudos mostram efeitos futuros das mudanças climáticas na transmissão de doenças tropicais Studies reveal the effects of climate change on the transmission of tropical diseases

Segundo um dos organizadores da coletânea, Dr. Paul Parham, compreender os efeitos dessas mudanças no clima auxiliará nas decisões das autoridades de saúde públicaAccording to one of the compilations organizer, Dr. Paul Parham, understanding the effects of these changes will support the decisions by public health authorities

12/03/2015

0000233

De acordo com Dr. Parham, parece ser inquestionável que as mudanças no clima afetarão muitas, se não todas as doenças transmitidas por vetores

Em 2050, países como a Venezuela e a Argentina reduzirão o número de novos casos de doença de Chagas, causada pelo parasita Trypanosoma cruzi, devido às mudanças climáticas . No entanto, as alterações no clima – especialmente o aumento da temperatura – têm contribuído para a propagação e manutenção do vírus do Nilo Ocidental em vários locais como o sul da Europa, Ásia ocidental e parte dos Estados Unidos. Essas e outras conclusões fazem parte de uma coletânea de pesquisas publicadas na revista Philosophical Transaction of the Royal Society.

A edição especial contém os últimos resultados da investigação sobre a forma como uma série de fatores epidemiológicos, ambientais e socioeconômicos impactarão, no futuro, as doenças transmitidas por vetores, como: malária, dengue e doença do Nilo Ocidental. Todas elas têm enorme impacto sobre a saúde humana nos países mais pobres.

Um dos estudos, inclusive, aponta que a Europa pode vir a se tornar, em algumas décadas, um lugar bastante apropriado para os mosquitos que transmitem a dengue, por exemplo.

Segundo o Dr. Paul Parham, um dos organizadores da edição especial sobre o tema, “parece ser inquestionável” que as mudanças no clima afetarão muitas, se não todas as doenças transmitidas por vetores. A mudança climática representa uma ameaça potencialmente grave para o futuro da saúde humana, afirmou Parham, que é professor de Saúde Pública na Universidade de Liverpool, na Inglaterra.

Os trabalhos apresentados levantam questões não só sobre a extensão dos efeitos da mudança climática, mas, também, o impacto de fatores como a resposta que os sistemas nacionais de saúde pública deverão ter sobre os riscos de infecções. Atualmente, essas doenças afetam mais de um bilhão de pessoas e causam a morte de cerca de um milhão por ano, de acordo com cientistas.

Por isso, o Dr. Parham defende que compreender os efeitos climáticos é fundamental para auxiliar as decisões das autoridades de saúde pública. A avaliação de risco e o planejamento de intervenções de saúde pública a partir de tais informações são vitais para o combate a essas doenças, coloca.

Uma das pesquisas publicadas na revista, sob o tema “Alterações climáticas e doenças transmitidas por vetores de seres humanos”, afirma cerca de 2,4 bilhões de indivíduos, em uma área de aproximadamente 20 milhões de quilômetros quadrados, estarão potencialmente expostos ao mosquito tigre asiático (Aedes albopictus), que depois do Aedes aegypti, é considerado um dos principais vetores do vírus da dengue.

Já outro trabalho selecionado aponta que há um consenso emergente de que o aquecimento do clima continuará a causar expansão da doença transmitida por carrapatos na América do Norte e da Eurásia.

Malária

Cientistas da Universidade de Liverpool descobriram que o clima e a mudança de tempo não afetam seriamente o sucesso dos programas de controle da malária em determinadas regiões.

Usando modelos matemáticos, os pesquisadores analisaram como as mudanças no clima podem afetar as estratégias atuais para controlar o número de mosquitos, se estas técnicas de intervenção permaneceriam eficazes e se seriam capaz de evitar um aumento no número de casos da doença.

Segundo a pesquisa, embora as alterações climáticas tenham efeito nos padrões de temperatura e nas chuvas – o que, por sua vez, afetam certas características do mosquito –, ao aumentar a distribuição de mosquiteiros e a pulverização de residências, as ações permanecem eficazes. Foi possível demonstrar no estudo, por exemplo, que as reduções no número de casos de malária e as mortes valem o investimento extra para garantir a prevenção.

According

According to Dr. Parham, it seems unquestionable that climate change will affect many, if not all, vector borne diseases

In 2050, countries as Venezuela and Argentina will decrease the number of new Chagas disease cases, caused by the Trypanosoma cruzi, due to climate changes. However, climate shifting – especially global warming – has contributed to the propagation and maintenance of the East Nile Fever virus in several places as South Europe, East Asia and part of the USA. These and other conclusions are part of a compilation of researches published in the Philosophical Transaction of the Royal Society journal.

The special edition contains the latest results of the investigation on the way a series of epidemiological, environmental and social-economic factors will affect – in the future – the vector borne diseases, as malaria, dengue and East Nile fever. All these have great impact on human health in the poor countries.

One of the studies will show that in a few decades Europe could become a very appropriate place for the mosquitos that transmit dengue, for example.

According to Dr. Paul Parham, one of the organizers of the special edition about the theme, it seems unquestionable that climate changes will affect many, if not all, vector borne diseases. Climate change represents a potentially severe threat for the future of human health, said Parham, a Public Health professor at the Liverpool University, in England.

The presented works also raise questions not only about the extension of the climate change effects, but also about the impact of factors as the response from national public health systems about the risk of infection. According to scientists, nowadays, these diseases affect one billion people and kill over a million people per year.

For this reason, Dr. Parham says that understanding the climate effects is fundamental to support public health authorities decisions. The risk evaluation and public health intervention planning supported by this data is vital to combat these diseases, he said.

One of the researches published in the journal under the theme Climate change and human vector borne diseases, says that around 2.4 billion people, in an area of 20 million square kilometers, will be potentially exposed to the Asian tiger mosquito (Aedes albopictus), considered the main dengue fever vector after the Aedes aegypti.

Another selected work points to an emerging agreement that global warming will keep causing the expansion of tick-borne diseases in North America and Eurasia.

Malaria

Scientists at Liverpool University have discovered that climate and weather change will not compromise malaria control in certain regions.

Using mathematical models, the researchers analyzed how climate changes could affect the current strategies to control the number of mosquitos, whether these techniques would be able to avoid an increase in the number of cases.

According to the research although climate changes may affect temperature and rainfall – which would affect some of the mosquitos characteristics – when the distribution of mosquito nets and household fumigation are increased, the actions remain effective. It was possible to demonstrate in the study that, for example, the reduction in the number of malaria cases and deaths are worth and extra investment to ensure prevention.