Notícias


Congresso estimula produção científica no Brasil Congress encourages scientific production in Brazil

13/10/2012

ICTMM

O Brasil tem uma importância fundamental para difundir tecnologia, ciência e cultura para todo o mundo tropical. É a vez dos trópicos cuidar dos seus próprios problemas e não apenas esperar soluções

Ao todo mais de 2,5 mil participantes, oriundos de 62 países, se reuniram no Rio de Janeiro, no 18º Congresso Internacional de Medicina Tropical e Malária (ICTMM), para debater os avanços registrados no combate às doenças tropicais, que afetam em torno de 1 bilhão de pessoas no mundo. Brasil e Holanda são, até o momento, os dois únicos países que organizaram e sediaram o evento em duas ocasiões, desde a primeira edição do Congresso de Medicina Tropical, promovido em 1913, em Londres, na Inglaterra, segundo Dr. José Coura, presidente do Congresso e pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

Para o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, o Congresso faz com que o Brasil retome a liderança internacional sobre a produção e pesquisas relacionadas às doenças negligenciadas. “O Brasil não pode perder essa oportunidade, não só para ser uma liderança em conhecimento, mas também em relação a sua economia. Pela dimensão geográfica de nosso país nós temos uma grande variedade de doenças infecciosas que vão desde as mais comuns na região Amazônica, como a malária, até doenças comuns em regiões urbanas, como a tuberculose e a dengue”, realçou.

“O Brasil é uma nação desenvolvida, mas ao mesmo tempo uma nação em desenvolvimento em um ambiente tropical que é único. Então o país tem uma importância fundamental para difundir tecnologia, ciência e cultura para todo o mundo tropical”, referendou o presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), Dr. Carlos Costa, que, assim como Padilha, também acredita que é a vez dos trópicos cuidarem dos seus próprios problemas e não apenas esperar soluções oriundas das nações desenvolvidas.

Cláudio Tadeu Daniel-Ribeiro, primeiro brasileiro a assumir a presidência da Federação Internacional de Medicina Tropical (FIMT), salientou a necessidade da inclusão de jovens no processo, a fim de estimulá-los a estudar as doenças tropicais. “Embora o Brasil venha investindo de forma crescente em pesquisa – atualmente, são 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) investidos em ciência e tecnologia, contra 1,54% da China e 2,8% dos Estados Unidos –, o país ocupa a 13ª posição do ranking mundial em artigos científicos publicados, apesar de aparecer como a 6ª potência econômica mundial”, revelou ao assegurar que há uma decisão política de investir em ciência e tecnologia. Acho que poderia ser melhor. Mas a gente está indo bem, completou.

Acordo de cooperação e assistência técnica
Novos passos em direção ao desenvolvimento científico brasileiro foram dados no Congresso. A fim de impulsionar inovações no campo das doenças tropicais e providenciar novas ferramentas de saúde para os programas do SUS, Ministério da Saúde, Fiocruz e a iniciativa Medicamentos para Doenças Negligenciadas (DNDi) América Latina firmaram um acordo de cooperação e assistência técnica voltado para novas terapias e diagnósticos.

“Este acordo irá pavimentar o caminho para um novo mecanismo de pesquisa e desenvolvimento liderado pelo Brasil, que visa trazer inovação local para a saúde pública global”, disse Eric Stobbaerts, diretor da DNDi América Latina.

“O Brasil é o único país com mais de 100 milhões de habitantes que manteve o desafio de buscar um sistema público universal para toda a sua população. Nenhum dos países da nossa dimensão tem esse desafio”, destacou Alexandre Padilha ao garantir que isso cria um compromisso para o tratamento dessas pessoas, bem como a produção de medicamentos de forma sustentável para esse sistema público de saúde. “Então nós temos que aproveitar essa condição do nosso país para produzir conhecimento aqui e exportar medicamentos, tecnologia, inovação e vacinas”, defendeu o ministro.

Atualmente, o Brasil exporta vacina da febre amarela, da BCG – para a tuberculose e, hoje, é o responsável pela garantia de toda a produção mundial de medicamentos para tratamento do Chagas agudo.

 

ICTMM

Brazil is of fundamental importance in disseminating technology, science and culture throughout the tropical world. Its the time of the tropics to take care of their own problems and not just wait for solutions

Altogether more than 2,500 participants from 62 countries gathered in Rio de Janeiro, for the 18th International Congress on Tropical Medicine and Malaria (ICTMM) to discuss the progress made in combating tropical diseases, which affect around 1 billion people worldwide. Brazil and Holland are, so far, the only two countries who have organized and hosted the event twice, since the first edition of the Tropical Medicine Congress, which was held in 1913 in London, England, according to Dr. José Coura, Congress President and researcher at the Oswaldo Cruz Institute (IOC/Fiocruz).

The Health Minister, Alexandre Padilha, believes the Congress re-establishes Brazil as the international leader in production and research related to neglected diseases. “Brazil cannot miss this opportunity, not only to be a leader in knowledge, but also regarding its economy. Due to the geographical dimensions of our country we have a wide variety of infectious diseases ranging from the most common in the Amazon region, such as malaria, to diseases that are common in urban areas, such as tuberculosis and dengue”, he stressed.

“Brazil is a developed nation and simultaneously a developing nation in a tropical environment, which is unique. Thus the country is of crucial importance to spread technology, science and culture throughout the tropical world”, said the president of the Brazilian Society of Tropical Medicine (SBMT), Dr. Carlos Costa, who, like Padilla, also believes that it is the the tropics’ turn to take care of their own problems and not just wait for solutions from developed nations.

Cláudio Tadeu Daniel-Ribeiro, the first Brazilian to preside over the International Federation of Tropical Medicine (IFTM), stressed the need to include young people in the process, in order to encourage them to study tropical diseases. “Although Brazil is increasingly investing in research – currently, 1.2% of Gross Domestic Product (GDP) is invested in science and technology, compared with 1.54% in China and 2.8% in the United States – , the country occupies the 13th position in the world ranking for published scientific papers, despite being the 6th world economic power”, he said, while ensuring that there is a political decision to invest in science and technology. “I think it could be better. But were doing well”, he added.

Agreement on cooperation and technical assistance
New steps towards Brazilian scientific development were detailed at the Congress. In order to drive innovation in the field of tropical diseases and provide new health tools for SUS (Single Health System) programs, the Ministry of Health, Fiocruz and Drugs for Neglected Diseases initiative (DNDi) Latin America have signed an agreement for cooperation and technical assistance targeting new therapies and diagnostics.

“This agreement will pave the way for a new research and development mechanism led by Brazil, which aims to bring local innovation to global public health”, said Eric Stobbaerts, director of DNDi Latin America.

“Brazil is the only country with more than 100 million people that maintains the challenge of seeking a universal public system for its entire population. None of the other countries of our size have this challenge”, said Alexandre Padilha, who guarantees that this creates a commitment to treat people, as well as produce medicines in a sustainable way for this public health system. “Thus we have to take advantage of this country’s condition to produce knowledge here and export medicines, technology, innovation and vaccines”, the minister argued.

Currently, Brazil exports yellow fever vaccine, BCG – for tuberculosis, and, is currently responsible for ensuring the total world production of drugs for treatment of acute Chagas.