Notícias


SBMT debate diretrizes e planeja novos encontros de Medicina TropicalSBMT debates guidelines and plans further Tropical Me

18/10/2012

DebateParalelamente ao 18º Congresso Internacional de Medicina Tropical e Malária (ICTMM), ocorrido no Rio de Janeiro, a Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), que completa 50 anos em 17 de novembro, promoveu reuniões com seus associados e representantes regionais. Na pauta dos encontros, foram debatidos assuntos como as eleições para as regionais da SBMT e os novos desafios da Revista, além de um balanço geral do Congresso e da sua importância para promover a troca de experiências em medicina tropical.

Na reunião com os representantes regionais da SBMT, da qual participaram quase todos os membros, diversos temas foram abordados, além da assinatura dos presentes aprovando a atualização do estatuto. Ao abrir o encontro, o presidente regional da SBMT, Dr. Sinval Pinto Brandão Filho, comentou sobre as eleições pendentes em algumas regionais, ao destacar que o mandato é de dois anos, e a importância de se convocar os associados para quitar suas anuidades. “Esse problema de pagamento é vivido em várias outras sociedades”, observou Sinval ao defender que todos trabalhem para ampliar a adimplência.

Dr. Mitermayer, da Bahia, sugeriu que fosse autorizado o débito automático em cartão de crédito, “conforme é nos Estados Unidos”. Para Flávio Augusto de Pádua Milagres, representante de Tocantins, a falta de pagamento se dá, na maioria dos casos, por esquecimento. “Vários fizeram o pagamento no evento”, ressaltou Flávio ao defender que a promoção de eventos motiva novos credenciamentos e serve para que os associados coloquem a anuidade em dia. “Creio que devíamos enviar, junto com a newsletter da Sociedade, um chamado mostrando quem pode ser sócio, as vantagens e como se associar”, opinou. Dr. Mitermayer gostou da colocação e salientou a importância de se ampliar ainda mais o mailling da Newsletter que segundo ele tem proporcionado boas discussões de casos.

Debate

O presidente da SBMT, Dr. Carlos Costa, aprovou a ideia e inclusive complementou ao solicitar que todos comecem a enviar sugestões de temas que possam ser abordados em edições futuras. Comentou que hoje a SBMT consegue manter seus custos, mas que é preciso ter caixa. Na oportunidade, Carlos Costa lembrou que os Congressos precisam ser bem planejados, uma vez que é uma ferramenta importante para abrir o leque de discussões sobre a medicina tropical. “Sair da infectologia, focar em temas também como a violência, doenças de pele e causas externas”, citou ao assinalar que a produção de Congressos são importantes, ainda, para que a SBMT adquira recursos financeiros.

Recursos estes que financiam as publicações da SBMT, como a Revista (RSBMT). Apesar de receber recursos de parceiros relevantes e ser quase em sua totalidade autofinanciada, a RSBMT conta com um pequeno aporte financeiro da Sociedade. “A Revista é o braço científico da SBMT, com nível de qualificação internacional”, avaliou Dr. Carlos Costa ao dar as boas vindas aos presentes na reunião que tratou sobre a publicação. “A RSBMT tem que ser referência, já que o Brasil é o maior país tropical”, concluiu ao passar a palavra para o Dr. Dalmo, responsável pela Revista.

“Depois dos sócios a Revista é o que a SBMT tem de melhor”, falou Dr. Dalmo ao agradecer o trabalho voluntário de edição realizado por colaboradores/revisores. Em sua apresentação sobre a Revista, Dr. Dalmo prestou contas dos gastos, mostrou como se dá o processo de publicação, realçou que o acesso é aberto e ilimitado – todos podem enviar trabalhos e ter acesso aos conteúdos – e comemorou o crescimento do seu fator de impacto.

Lembrando que nesta gestão a Revista é tida como prioridade para a SBMT, Dr. Dalmo apontou algumas mudanças já realizadas, como um escopo mais amplo e as revisões em língua inglesa, e outras que ainda estão por vir. Entre suas metas estão as mudanças na periodicidade, de bimestral para mensal, na formatação para facilitar a leitura, bem como a criação de um suplemento específico em cada nova edição e a digitalização de edições antigas.

Debate

Dr. Mitermayer pediu a fala para referendar os avanços da Revista, que no seu ponto de vista “melhorou muito”. Entretanto, ele enfatizou a necessidade de se modernizar sempre. “O Brasil está em 13º em produção científica, mas quando falamos em inovação cai para 47º”, constatou. Dr. Dalmo concordou que o país está atrasado em termos de inovação e patentes. O responsável pelo conteúdo da Revista, afirmou que recebe muito material, entretanto cerca de 40% a 50% não são publicados. “O crivo é grande”, justificou ao lamentar que infelizmente, hoje, a RSBMT cede mais citações que as recebe. “Concedemos cerca de três mil ao ano e recebemos em torno de 500”, revelou ao solicitar aos colegas que citem a RSBMT.

No fechamento do encontro sobre a Revista, foi proposta ainda a alteração da capa da publicação, bem como da logomarca. O assunto ficou em aberto para ser discutido em nova oportunidade, entre os associados.

Associados que estiveram presentes na Assembleia da SBMT, que ocorreu no apagar das luzes do ICTMM. Na reunião, presidida pelo Dr. Carlos Costa, que visava aprovar a Ata, Dr. José Coura, presidente do Congresso, agradeceu a presença de todos e, feliz, fez um primeiro balanço do evento internacional. Visivelmente emocionado e ovacionado pelos colegas, Dr. Coura avaliou que o ICTMM, cumpriu o seu objetivo, “foi um sucesso”.

Ao todo mais de 2,5mil participantes, oriundos de 62 países, se reuniram no Rio de Janeiro, para participar do evento. Dr. Coura apresentou, ainda, os custos, o orçamento que foi disponibilizado, além de explicar como foi feita a escolha dos palestrantes e do espaço.

Para Marcos Boulos, presente na Assembleia, o Congresso cumpriu muito bem o seu papel. “Tivemos conferencistas da Índia, Nigéria, Malásia, Angola, Argentina, Gana, Colômbia, e outros. A troca e a interação foi muito positiva”, apontou. O primeiro brasileiro a assumir a presidência da Federação Internacional de Medicina Tropical (FIMT), Dr. Cláudio Tadeu Daniel-Ribeiro, que também esteve à frente da organização do ICTMM, concordou com a colocação do colega. Parabenizado pelos demais pelo novo desafio, Cláudio fica à frente da Federação até 2016.

Na oportunidade, o presidente da SBMT, Dr. Carlos Costa comentou também sobre a importância de divulgação dos eventos e de trabalhos sobre medicina tropical no Brasil e no mundo. Explicou os diversos meios que a Sociedade vem utilizando para isso como a newsletter (que hoje é bilíngue), a Revista, o Medtrop-L, além das melhorias no portal. Tudo para buscar dar projeção ao trabalho da SBMT. “Quem não pensa longe, não vai longe. Temos que pensar grande”, defendeu Dr. Carlos Costa.

Aproveitando a deixa, Dr. Júlio Croda de Mato Grosso do Sul, lembrou aos presentes que o próximo Congresso de Medicina Tropical, ocorre em seu estado. Motivado, ele acredita que mais de mil pessoas devam participar. “Nossa perspectiva é fazer um Congresso muito bom, do mesmo nível do que ocorreu no Rio de Janeiro”, disse Croda que já adiantou que o encontro será em agosto, em Campo Grande, com o mote: Determinantes Ambientais, Ecológicos e Sociais em Medicina Tropical.In parallel to the 18th International Congress on Tropical Medicine and Malaria (ICTMM), held in Rio de Janeiro, the Brazilian Society of Tropical Medicine (SBMT), which turns 50 on November 17, held meetings with its members and regional representatives. Among the topics that were discussed were the regional SBMT elections and the Journal’s new challenges, as well as a general assessment of the Congress and its importance in promoting the exchange of tropical medicine experiences.Debate 

At the meeting of regional SBMT representatives, attended by almost all members, several topics were discussed, as well as the approval of the new statute. During the meeting’s opening, the regional SBMT president, Dr. Sinval Pinto Brandão Filho commented on the pending elections in some regions,. He stated that the term is for two years, and highlighted the importance of convening members to settle their dues. “This issue of payment is experienced by several other societies”, said Sinval. He argued that everyone needs to work to increase payment levels.

Dr. Mitermayer, from Bahia, suggested that direct debt from credit cards be adopted, “as it is in the United States”. Flávio Augusto de Pádua Milagres, Tocantins representative, believes that in most cases non-payment occurs due to forgetfulness. “Several members made their payment at the event”, said Flávio. He argued that the promotion of events encourages new accreditations and the updating of annuity payments. “I think we should send, together with the Societys newsletter, a message that explains who can be a member, the benefits and how to join the society” he said. Dr. Mitermayer liked the idea and emphasized how important it is to further expand the mailing of the Newsletter, which he feels has provided good discussions about cases.

Debate

The president of SBMT, Dr. Carlos Costa, approved the idea and also request ed that everyone should start sending suggestions on topics to be addressed in future editions. He commented that nowadays the SBMT can keep up with its costs, but cash flow is important. Costa reminded those present that the Congress needs to be well planned, since it is an important tool to create a wide range of discussions on tropical medicine. “To get away from infectious diseases, and also focus on topics such as violence, skin diseases and external causes”, he said, pointing out that organising Congresses is also an important way for the SBMT to acquire financial resources.

These resources fund SBMT’s publications, such as the Journal (RSBMT). Although it receives resources from certain stakeholders and is almost entirely self-financed, the RSBMT receives a small financial contribution from the Society. The Journal is the scientific arm of the SBMT, and of an international standard”, said Dr. Carlos Costa, while welcoming those attending the meeting that addressed the publication. “The RSBMT has to be a reference, since Brazil

is the largest tropical country”, he concluded, before giving the floor to Dr. Dalmo, who is responsible for the Journal.

“After the partners, it is the Journal that represents what SBMT is best at”, said Dr. Dalmo, who thanked the volunteer work carried out by collaborators and reviewers. In his presentation about the Journal, Dr. Dalmo accounted for the expenditures, explained the publishing process, emphasised that access is open and unrestricted – anyone can send in studies and gain access to the content – and celebrated the growth of its impact.

Dr. Dalmo said that during this mandate the Journal has become a priority for the SBMT, and pointed out some changes that have already taken place, such as a broader scope and reviews in English, and others that are yet to come. Among its goals are changes in the periodicity (from bimonthly to monthly), in the formatting (to make it more readable), as well as the creation of a specific supplement with each new edition and the digitisation of old editions.

Debate

Dr. Mitermayer endorsed the Journal’s progress, which in his view has “improved a great deal”. However, he emphasised the need to constantly modernise. “Brazil is ranked 13th in scientific production, but when it comes to innovation, it drops to 47”, he said. Dr. Dalmo agreed that the country is lagging in terms of innovation and patents. The Journal receives a lot of material, however about 40% and 50% is not published. “We are very strict”, he explained, while regretting that unfortunately these days, RSBMT quotes more than it is quoted. We concede about 3,000 quotes a year and receive around 500”, he revealed and requested that colleagues quote the RSBMT.

During the closing of the meeting about the Journal, a further proposal was made to change the publication’s cover, as well as the logo. The topic was left open for discussion at a new opportunity among members.

Members attended the SBMT Assembly, which occurred in the last moments of ICTMM. At the meeting, chaired by Dr. Carlos Costa, the aim of which was to approve the minutes, Dr. José Coura, Congress President, thanked all those present and made an initial assessment of the international event. Visibly touched, and applauded by his colleagues, Dr. Coura reckoned that ICTMM had fulfilled its purpose, “It was a success”.

Altogether more than 2,500 participants from 62 countries gathered in Rio de Janeiro to attend the event. Dr. Coura also presented costs, the budget that was available, and explained how the choice was made of the speakers and space.

Marcos Boulos, present during the Assembly, believed that the Congress fulfilled its role well. “We had participants from India, Nigeria, Malaysia, Angola, Argentina, Ghana, Colombia, and others. The exchange and interaction was

very positive”, he noted. The first Brazilian to take over the presidency of the International Federation of Tropical Medicine (FIMT), Dr. Cláudio Tadeu Daniel-Ribeiro, who also headed the organisation of ICTMM, agreed with his colleague’s statement. Congratulated by the others for the new challenge, Cláudio will lead the Federation until 2016.

On the occasion, the president of SBMT, Dr. Carlos Costa also commented on the importance of disclosure of events and studies on tropical medicine in Brazil and worldwide. He explained the various ways that the Society has been doing this with the newsletter (which is now bilingual), the Journal, Medtrop-L, in addition to improvements in the portal. All of this with the aim of projecting SBMT’s work. “Who does not think far ahead, does not go far. We have to think big”, argued Dr. Carlos Costa.

Taking advantage of the opportunity, Dr. Júlio Croda of Mato Grosso do Sul, reminded those present that the next Congress of Tropical Medicine, will occur in his state. He believes that more than a 1,000 people will participate. “Our goal is to hold a very good Congress, of the same quality as this one in Rio de Janeiro”, said Croda. The meeting will be in August, in Campo Grande, with the motto: Environmental, Ecological and Social Determinants in Tropical Medicine.