Notícias


De Harvard, Edward Ryan comenta a epidemia de cólera que matou 5 mil pessoas no HaitiFrom Harvard, Dr. Edward Ryan comment

13/02/2013

Lack

Programas integrados de controle e prevenção necessitam envolver todas as ferramentas possíveis, incluindo suporte de infraestrutura, acesso a um sistema portátil de água potável, saneamento adequado e programa de vacinação

 

Em 2012, surtos de cólera surgiram no Caribe, Costa Oeste Africana, e, como sempre, no Subcontinente Indiano. O surto, que matou muitos haitianos, foi trazido pelas forças da Organização das Nações Unidas (ONU) vindas do Nepal. Neste ínterim, o cólera desmoralizou o bem organizado sistema de saúde cubano e mostrou, mais uma vez, o quão vulnerável o mundo em desenvolvimento ainda é, apesar dos avanços tecnológicos modernos. Além disso, o cólera é um dos melhores exemplos de como a vida é terrível nas favelas onde, talvez, viva mais da metade da população tropical.

Para o professor do departamento de imunologia e doenças infecciosas da Escola de Saúde Pública de Harvard (EUA), Edward Ryan, o cólera é um grande desafio do mundo tropical em desenvolvimento. Assunto que ele aborda em entrevista concedida à Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT).

SBMT: Qual a situação atual de cólera no Haiti?

Ryan: O surto no Haiti continua em ondas, após sua fase explosiva inicial. É o maior desde o registro histórico, envolvendo mais de meio milhão de pessoas e resultando em mais de cinco mil mortes. Casos ligados ao Haiti também ocorreram na República Dominicana e em alguns países nas Américas, embora não tenha havido nenhuma transmissão nesses outros locais. Muito esforço tem sido empregado para fornecer água potável e saneamento adequado, e já se caminha para avaliar a implantação de uma vacina contra cólera que seja segura e pré-qualificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). É muito provável que o cólera se torne endêmico nos rios do Haiti, e que os surtos sejam contínuos e repetitivos, embora esperemos que em intensidade decrescente.

SBMT: O que podemos aprender com a experiência do Haiti?

Ryan: É chocante perceber que o surto de cólera no Haiti ocorreu cerca de 10 meses após o terremoto devastador. Devido a este fato, muito esforço já havia sido feito para se obter infraestrutura, água, saneamento, habitação etc. O fato de o maior surto de cólera já registrado pudesse ocorrer – apesar dos 10 meses de vantagem de todos os investimentos, recursos e esforços –nos mostram o quão difícil o problema pode ser. Cólera é uma doença de pobreza severa, de privação de direitos e instabilidade social. Uma das grandes lições do Haiti é a enorme quantidade de esforço que será necessário para minimizar o risco de cólera e doenças relacionadas para aqueles sem acesso à água potável e saneamento adequado, aqueles mais esquecidos pela globalização.

SBMT: Outros países estão em risco de cólera?

Ryan: Atualmente, a doença é endêmica em mais de 50 países e envolve milhões de pessoas anualmente, matando mais de 100 mil. Países com maior risco de cólera são aqueles onde uma parte da população não tem acesso à água potável ou saneamento adequado. Infelizmente, estima-se que mais de 800 mil pessoas não tenham acesso à água potável e, mais de 2,5 bilhões de indivíduos não têm saneamento básico adequado. Fornecer água potável a pessoas em maior risco de cólera e de doenças relacionadas, infelizmente, requer décadas.

SBMT: Algo de bom aconteceu recentemente?

Ryan: A epidemia no Haiti levou a comunidade internacional a tratar de forma mais abrangente as dificuldades que nós, como população global, tivemos no controle da pandemia de cólera em curso. Cólera é um sintoma de uma situação de doença global (água contaminada e pobreza). A pandemia atual é a 7ª no registro histórico, tendo começado em 1961, e também a mais longa registrada. A experiência do Haiti chama atenção para o fato que os programas integrados de controle e prevenção necessitam envolver todas as ferramentas possíveis, incluindo suporte de infraestrutura, acesso a um sistema de água potável, saneamento adequado e programa de vacinação. Em grande parte, por causa da experiência do Haiti, muitos na comunidade global ampliaram a indicação para o possível uso de vacina contra cólera, e a OMS propôs a instituição de um estoque de vacina contra a doença.

Vacina – Para vacinação contra cólera são disponibilizadas no mercado duas opções: oral e injetável. A Dukoral, uma das vacinas orais, apresenta 85 a 90% de eficácia na proteção contra a doença, embora esta proteção tenha duração média de três anos. Esta vacina é recomendada pela OMS para aplicação em viajantes com destino às áreas onde ocorrem casos de cólera, mas não é disponibilizada pelo Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde (MS) por não prover imunidade duradoura.

Lack

Integrated programs for control and prevention need to involve all possible tools, including infrastructure support, access to portable drinking water, adequate sanitation and a vaccination program

In 2012, outbreaks of cholera emerged in the Caribbean, West African Coast, and as always, on the Indian Subcontinent. The outbreak, which killed many Haitians, was brought by the forces of the United Nations (UN) coming from Nepal. Meanwhile, cholera demoralized the well-organized Cuban health system and showed, once again, how vulnerable the developing world still is, despite modern technological advances. Moreover, cholera is one of the best examples of how terrible life in slums is, where, perhaps, more than half the tropical population lives.

The professor of immunology and infectious diseases at the School of Public Health Harvard (USA), Edward Ryan, says cholera is a major challenge in the tropical developing world. He discusses this subject in an interview with the Brazilian Society of Tropical Medicine (SBMT).

SBMT: What is the current cholera situation in Haiti?

Ryan: The outbreak in Haiti continues in waves after its explosive initial phase. The outbreak is the largest on the historical record, and has involved over a half million individuals and has resulted in over 5,000 deaths. Cases linked to Haiti have also occurred in the Dominican Republic and in a number of countries throughout the Americas, although there has been no ongoing transmission in these other locations. Much effort is being made to provide safe water and adequate sanitation, and initial efforts have been made to evaluate roll-out of a safe and WHO pre-qualified cholera vaccine. It is very probable that cholera will become endemic in the waterways of Haiti, and that outbreaks and flares will be ongoing and repetitive, although hopefully decreasing in severity.

SBMT: What can we learn from the Haitian experience?

Ryan: It is sobering to realize that the cholera outbreak in Haiti occurred approximately 10 months after the devastating earthquake. This reality meant that much effort had already been spent on getting infrastructure, water, sanitation, housing, etc. The fact that the largest outbreak of cholera on the historical record could occur despite a 10 month head start of all this investment and resources and efforts shows how difficult a problem cholera can be. Cholera is a disease of severe poverty, disenfranchisement and social distability. One of the major lessons from Haiti is the massive amount of effort that will be required to minimize the risk of cholera and related illnesses for those without access to safe water and adequate sanitation and those most left behind by globalization.

SBMT: Are other countries at risk of cholera?

Ryan: Cholera is now endemic in over 50 countries and involves millions of individuals on a yearly basis, killing over 100,000. Countries at most risk of cholera are those where a section of the population does not have access to safe water or adequate sanitation. Unfortunately, it is estimated that over 800,000 individuals lack access to safe water and over 2.5 billion individuals lack adequate sanitation. Providing safe water to those most at risk of cholera and related diseases will unfortunately require decades.

SBMT: Has anything “good” happened recently?

Ryan: The Haitian epidemic has prompted the international community to more fully address the difficulties that we as a global population have had in controlling the ongoing cholera pandemic. Quite simply, cholera is a symptom of a diseased global situation (unsafe water and poverty). The current pandemic is the 7th on the historic record, and having begun in 1961 is also the longest on the historic record. The Haitian experience has underlined that integrated programs of control and prevention need to involve every possible tool, including infrastructure support, access to point-of-use safe water, access to adequate sanitation, and the integration of cholera prevention and vaccine program. Largely because of the Haitian experience, many in the global community have broadened the indication for possible cholera vaccine use, and the WHO has proposed establishment of a cholera vaccine stockpile.

Vaccine – For vaccination against cholera, two options are available on the market: oral and injectable. Dukoral, an oral vaccine, is 85-90% effective in protecting against the disease, although this protection has an average duration of three years. This vaccine is recommended by WHO for travelers to areas where cholera occurs, but is not available under the National Immunization Program (NIP) of the Ministry of Health since it does not provide lasting immunity.