Notícias


Prêmio Jovem Pesquisador: Gênero e idade estão associados à evolução das formas clínicas mais graves de leptospirose Young Researcher Award: Gender and age are linked to the evolution of the severe clinical forms of leptospirosis

Estudo abre caminho para pesquisas futuras que expliquem, por exemplo, porque casos graves da doença são sete vezes frequentes em homens, apesar da incidência de formas assintomáticas neste gênero ser apenas duas vezes maior do que nas mulheresThe study opens a path for new researches that may explain, for example, why the severe cases of the disease are seven times more frequent among men, despite the asymptomatic forms of the disease is only twice as frequent as among women

04/02/2015

O

O risco para infecções subclínicas alcança o pico em indivíduos de 25 a 34 anos. No entanto, aumentam com a idade as chances de ocorrerem infecções graves ou até mesmo o óbito

Tanto o sexo quanto a idade influenciam o risco de infecção por leptospirose. É o que aponta a dissertação de mestrado do médico veterinário Igor Paploski. O estudo foi reconhecido com o quinto lugar no Prêmio Jovem Pesquisador 2014, durante o 50º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (MedTrop), que ocorreu entre os dias 26 e 29 de agosto, em Rio Branco, no Acre.

“A ideia surgiu a partir do fenômeno de que os homens, em idade economicamente ativa, são os que mais frequentemente desenvolvem as formas clínicas graves de leptospirose. São dados inclusive reportados na literatura. Decidimos, então, tentar investigar porque isso acontece”, explica Paploski, atualmente doutorando em Saúde Pública pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Ao todo, o estudo foi feito com a participação de 2.003 pessoas analisadas entre os anos de 2003 e 2006, em seguimentos anuais, no bairro de Pau da Lima, em Salvador, Bahia, local que apresenta diversos problemas de infraestrutura urbana, como de esgoto, fornecimento de água e coleta de lixo. “Ambiente propício à disseminação da leptospirose e bastante semelhante à realidade de diversas localidades no Brasil”, explica ao complementar que a transmissão da doença ocorre pelo contato direto com a urina dos animais infectados ou pela exposição à água contaminada.

Apesar de apenas uma parcela dos infectados desenvolverem manifestações clínicas graves que requerem hospitalização, sendo potencialmente fatais, a maior incidência desses casos ocorre em homens, segundo o estudo.

“A hipótese inicial da pesquisa era que: se os homens desenvolvem sete vezes mais formas clínicas graves do que mulheres, esperava-se que também se infectem sete vezes mais. Mas não foi isso o que percebemos. Observamos que sim, homens se infectam mais, porém apenas duas vezes mais”, pondera o pesquisador.

Ainda de acordo com Paploski, de alguma forma, a idade também está associada com uma maior progressão clínica da doença. O risco para infecções subclínicas, de acordo com o estudo, alcança o pico em indivíduos de 25 a 34 anos. No entanto, aumentam com a idade as chances de ocorrerem infecções graves ou até mesmo o óbito.

“É um estudo que demonstra um fenômeno e levanta possibilidades para pesquisas a serem produzidas mais adiante, pois exibe um acontecimento difícil de explicar porque ocorre. Acredito que a sua beleza está em jogar luz em caminhos para o futuro”, explica Paploski. Ele assegura que as sugestões obtidas na apresentação durante o 50º Medtrop servirão para aprimorar ainda mais o seu trabalho de doutorado.

The

The risk for sub-clinical infections reaches its peak in individuals aging from 25 to 34 year. However, the chances of having severe infections or even death increase along with age

Both sex and age affect the risk of leptospirosis infection. This is the result of a Masters degree paper by the veterinarian doctor Igor Paploski. The study was the fifth bests in the 2014 Young Researcher Award, during the 50th Congress of the Brazilian Society of Tropical Medicine (Medtrop 2014), that took place from August 26 to 29 in Rio Branco, Acre.

“The idea came from the phenomenon that men in working ages, are those who develop most of the severe clinical forms of leptospirosis. These data are even published in the literature. We decided, this way, to try to investigate why this happens”, explains Paploski, currently a PhD student in Public Health from the Federal University of Bahia.

At all, the study involved 2,003 people who were analyzed from 2003 to 2006, in annual segments, in the Pau da Lima neighborhood, in Salvador, Bahia, a place with several infrastructure problems, as lack of sewage, water supply and garbage disposal. “The prone environment for the dissemination of leptospirosis and quite similar to the reality of many Brazilian families.”, explains while complementing that the transmission of the disease happens whenever there is direct contact with the urine of infected animals or when exposed to infected water.

Despite only part of the infected people develop severe clinical manifestations that require hospitalization, since they are potentially lethal, the majority of the incidence of these cases happens to men, according to the study.

“The initial hypothesis of the research was: if men develop the severe clinical forms of the disease seven times as much as women, it is expected that they are infected seven times as much. But this was not observed. We did, however, observe that men are more infected, but only twice as much.

Still according to Paplosky, somehow, age is also connected to a greater clinical progression of the disease. The risk for sub-clinical infections, according to the study, peaks in individuals aging from 25 to 34 years. However, the chances for the development of severe infections or even death increase with age.

“This study evidences a phenomenon and raises further research possibilities, since the fact is not easily explained. I believe the beauty is in enlightening the paths for the future”, explains Paploski. He assures the suggestions he received during the 50th Medtrop will improve his PhD paper.