_destaque, Notícias

Pesquisa mostra que aedes aegypti pode nascer já infectado por vírus como o da zika ou da chikungunya

Os pesquisadores reforçam que a melhor forma de controle do mosquito ainda é evitar locais com água parada.

26/02/2024

A pesquisa foi publicada na sexta-feira (23) na revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. O objetivo dos biólogos é ajudar no trabalho de combate ao mosquito.

Pesquisadores da Universidade Federal de Goiás descobriram um complicador no combate à transmissão do vírus da zika e da chigungunya.

A pesquisa usou ovos de mosquitos de sete regiões diferentes de Goiânia. Eles foram coletados em armadilhas e placas instaladas pela Vigilância Sanitária. O material foi levado para o laboratório de genética molecular da Faculdade de Biologia da Universidade Federal de Goiás.

“Foram quatro etapas. A gente recebeu os ovos, a gente adicionou água até a eclosão das larvas. Em seguida, ela se transformou em pulpas até a eclosão do mosquito. Demora em torno de sete dias”, explica Diego Michel Fernandes da Silva, pesquisador da UFG.

Depois, as espécies de mosquitos foram identificadas e a pesquisa seguiu só com amostras de 1.570 fêmeas do aedes aegypti, transmissoras dos vírus da dengue, zika e chikungunya.

Até hoje, o que se pensava é que o mosquito só transmitia zika ou chikungunya depois de picar uma pessoa infectada. Mas a pesquisa veio mostrar que o aedes aegypti já pode nascer com os vírus dessas doenças.

Os cientistas examinaram inseto por inseto e descobriram que nenhum deles nasceu com dengue, mas 20 tinham o vírus da chikungunya e dez estavam com o da zika, mesmo sem ter tido contato com humanos contaminados. É a chamada transmissão vertical.

Saiba mais: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2024/02/23/pesquisa-mostra-que-aedes-aegypti-pode-nascer-ja-infectado-por-virus-como-o-da-zika-ou-da-chikungunya.ghtml